quinta-feira, 5 de setembro de 2019

UM CARIOCA DA GEMA NA PREFEITURA DO RIO: SALVE JORGE!



Por: Walter Brito

A Cidade Maravilhosa tem sete milhões de habitantes, entre os morros, favelas e suas belas praias conhecidas no mundo, a exemplo de Copacabana, Ipanema, Barra da Tijuca e muitas outras. Seus bares e casas de espetáculos da Lapa ao Leblon, passando pela Zona Norte, fizeram história, onde Pixinguinha mostrou seu talento como um dos maiores saxofonistas de todos os tempos.
CRISTO REDENTOR É O MONUMENTO MAIS VISITADO E FOTOGRAFADO DO BRASIL

     Aos 456 anos, o Rio de Janeiro viu nascer e brilhar em suas terras figuras emblemáticas, como os gigantes Machado de Assis, Nilo Peçanha, Lima Barreto, João do Rio, Garrincha, Cartola, Natal da Portela, Jamelão, Candeia, Ruth de Sousa, e tantos outros que deram suas contribuições para que o Rio continuasse eternamente lindo e de uma alegria contagiante, misturando cultura, política e a economia pujante que representa o segundo PIB do país, com 350 bilhões de reais. A cidade encanta brasileiros e estrangeiros de todos os rincões, que fazem do Rio a líder do turismo na América Latina, tanto interna como internacionalmente.
O carioca Machado de Assis é considerando o maior escritor brasileiro

Entre os destaques do samba que nasceram no Rio e contribuem ainda hoje com a cultura e a alegria de um povo hospitaleiro,  que  há 126 anos vem mantendo o troféu de maior festa do mundo, o famoso carnaval carioca, destacamos os ídolos Paulinho da Viola, Martinho da Vila e Neguinho da Beija-flor, entre outros tantos que fazem o Rio, o Brasil e o mundo sambar e sorrir no compasso do gênero musical mais tipicamente brasileiro e originário dos batuques trazidos da mãe África nos tempos da escravidão.

Sabemos que a cidade e o Estado do Rio atravessam um dos piores momentos, quando seus governantes, em parte significativa, foram presos por corrupção; e o descaso administrativo é tamanho que um incêndio de grandes proporções destruiu o Museu Nacional em 2018. Localizado na Quinta da Boa Vista, no bairro de São Cristovam, na Zona Norte do Rio, a instituição tem duzentos anos e foi residência do rei Dom Pedro ll e dois imperadores. Entretanto, a falta de recursos e o descaso administrativo para a conservação de um Patrimônio da Humanidade são imperdoáveis. Todos os atores públicos precisam assumir suas culpas: governos federal, estadual e municipal. O prefeito Marcelo Crivella à época do incêndio desconversou e disse: “Trata-se de uma fatalidade”.

A PRÉ-CAMPANHA PARA PREFEITO DO RIO ESTÁ NA BOCA DO POVO!

Marcelo Crivella é canditato à reeleição pelo PRB e com o apoio dos evangélicos
No próximo ano, exatamente daqui a 13 meses, a população do Rio vai às urnas escolher o novo prefeito e o parlamento municipal. Para a prefeitura, 22 nomes estão no páreo: Alessandro Molon (PSB), Arolde de Oliveira (PSC), Benedita da Silva (PT), Bruno Kazuhiro (DEM), Carlo Caiado (DEM), Clarissa Garotinho (PROS), Eduardo Paes (DEM), Fred Luz (Novo), Gustavo Bebiano (sem partido), Hélio Negão (PSL), Jerominho (PMB), Marcelo Calero (Cidadania), Marcela Crivella (PRB), Marcelo Freixo (PSOL), Mariana Ribas (PSDB), Martha Rocha (PDT), Paulo Messina (sem partido), Pedro Fernandes (sem partido), Rodrigo Amorim (PSL), Ruan Lira (PROS), Otoni de Paula (PSC) e Washington Farjado (sem partido).

JORGE COUTINHO ENTRA NO JOGO SUCESSÓRIO
Jorge Coutinho poderá surpreender na eleição para prefeito. Na foto, Milton Gonçalves e o amigo de cinco décadas, Jorge Coutinho
Mais um candidato para a prefeitura do Rio se apresenta com a força dos artistas e da negritude da Cidade Maravilhosa. Trata-se do ator de teatro, cinema e televisão, Jorge Coutinho (MDB). Fundador do MDB, ao lado do amigo de cinco décadas Milton Gonçalves e do timoneiro Ulisses Guimarães, Coutinho construiu uma bela história de lutas, conquistas e vitórias no meio artístico e como líder da comunidade negra nacional e ativista político.
Vale ressaltar que Coutinho dividiu o mundo das novelas globais em duas épocas, antes do beijo e após o beijo. Ele foi o primeiro negro a beijar a boca de uma atriz branca na televisão, ocorrido na novela Os Passos do Ventos, da autora Janete Clair, quando contracenou com a atriz Djenane Machado, filha do famoso rei da noite carioca, Carlos Machado. Coutinho, como sempre, foi também um ferrenho ativista político e cultural no final dos anos 50 e início dos anos 60, quando simpatizava com o Partido Comunista Brasileiro, o famoso partidão, que lhe custou um exílio em Buenos Aires, na Argentina, só voltando após a abertura política.
Coutinho está confiante no apoio do povo carioca!

Coutinho, atualmente aos 85 anos de idade, com boa saúde e muita energia, continua em plena atividade como ator e presidente do Sindicato dos Artistas do Rio de Janeiro - SATED, no exercício pleno da sua quarta gestão. Na última eleição, ocorrida recentemente, Coutinho derrotou o grupo do famoso ator da Globo Paulo Betti, a quem Coutinho processou por preconceito racial. A chapa de Coutinho, presidente, e Milton Gonçalves, secretário-geral, venceu Paulo Betti e seu grupo, quando Coutinho obteve 65% dos votos dos artistas do Rio de Janeiro contra apenas 35% do grupo concorrente. 
Vale Ressaltar, ainda, que Jorge Coutinho tem viajado pelo mundo, participando da apresentação dos seus filmes, Noitada de Samba, resgate da cultura negra nos anos de chumbo, cuja história e roteiro é do próprio Jorge, e Pantanal é o Império Serrano, dirigido por Célia Leal, tendo Coutinho como ator e protagonista da história. Coutinho esteve em Nova York e Boston nos EUA para divulgar os filmes, e tem uma programação intensa para os países africanos. O pré-candidato a prefeito do Rio foi, por muito tempo, o presidente nacional do MDB Afro, na gestão de Maguito Vilela.
É com esta bagagem que o Rio de Janeiro recebe mais uma alternativa para a disputa pelo Palácio da Cidade do Rio de Janeiro. O Palácio foi construído em estilo georgiano, entre os anos de 1947 e 1950. Será a primeira vez na história do Rio de Janeiro que três negros retintos participarão da disputa para a  prefeitura: Benedita da Silva (PT), Hélio Negão (PSL) e Jorge Coutinho (MDB). O único pré-candidato, entre os 23 que já se apresentaram, que se diz carioca da gema é Jorge Coutinho. Ele começará sua pré-campanha com o slogan SALVE JORGE! Que vençam a democracia e o melhor nome para administrar a Cidade Maravilhosa!


segunda-feira, 26 de agosto de 2019

ANÁPOLIS É COSMOPOLITA E DE TODOS OS BRASIS!

Anápolis em constante desenvolvimento


Por: Walter Brito
Anápolis, em Goiás, disputa com Abreu de Lima em Pernambuco e São Gonçalo no Rio de Janeiro o título de cidade mais evangélica do país proporcionalmente. Povo sistemático, ordeiro, trabalhador e dono de um coração grande que recebeu e recebe com alegria cidadãs e cidadãos de todas as partes do país e também dos cinco continentes do globo terrestre, o que a fez uma cidade altaneira, democrática, bem-sucedida e gloriosa.
Anápolis forma, com Brasília, os principais laboratórios para pesquisa de opinião como amostra do pensamento nacional.
Não se diz mais como antigamente: “Como pensa o grupo de Anápolis?” - trata-se de jargão do passado, que a centenária cidade goiana aboliu. O pensamento de Anápolis é macro e representa todos os cantos do país.  Hoje ela detém um dos maiores PIBs de cidades de seu porte no Brasil. Em Goiás, Anápolis só perde para Goiânia, e é uma das responsáveis pelo crescimento estadual de 1,8% ao ano, quase o dobro do crescimento nacional. Neste sentido, as cidades cosmopolitas abraçam pessoas de todos os lugares para participar de seu desenvolvimento pleno.
A  cidade tem economia sólida, cujo  PIB é o segundo do Estado

A divergência de ideias não tem a menor importância no que diz respeito ao bom relacionamento entre as pessoas de todos os segmentos daquela vitoriosa cidade, também conhecida como a Manchester do Centro-Oeste. Embora evangélica em sua maioria e também com grande número de católicos, em Anápolis se pratica de fato e de direito a profecia do pensador persa Bahá’u ‘lláh, fundador da Fé Bahá’í, autor do lema que diz: A unidade na diversidade, ou seja, mesmo que tenhamos pensamentos diversos, a união é fundamental para atingir nossos objetivos. Outra máxima divulgada por 5 milhões de Bahá’ís no planeta é que: “A terra é um só país e os seres humanos os seus cidadãos”. Por isso, os anapolinos de todos os rincões são mais que democráticos ao escolher seus representantes.


Percebemos que Anápolis dá oportunidade para todos, desde que sejam trabalhadores e que tenham bons projetos. Em nossa passagem pela cidade, em conversa com moradores de todos os segmentos sociais, ficou claro que aquele importante município goiano produziu lideranças políticas e empresariais de diversos  matizes, tais como os saudosos Anapolino Silvério de Faria (nascido em Anápolis), Henrique Santillo (nascido em Ribeirão Preto - SP), Onofre Quinan (nascido em Vianópolis), entre outros. Foi na Manchester do Centro-Oeste que nasceram o atual governador de Goiás Ronaldo Caiado; o destacado engenheiro Henrique Meirelles, influenciador da economia nacional e internacional; José Batista Júnior, fundador do Grupo Friboi e desde 2010 no comando da JBJ, importante empresa do mercado imobiliário nacional e outros investimentos na agropecuária.

Ronaldo Caiado, Henrique Meirelles e José Batista Júnior (Júnior Friboi)



Antônio Gomide
Nascido em outras plagas, que faz muito sucesso como líder político na cidade de Anápolis, destacamos o odontólogo Antônio Roberto Otoni Gomide, atual deputado estadual pelo Partido dos Trabalhadores. Ele passou pelo parlamento municipal por quatro mandatos e se elegeu prefeito em 2008 e foi reeleito prefeito em 2012 no primeiro turno com 90% dos votos válidos, maior votação proporcional do Brasil! O petista nasceu em Goianésia, interior goiano. Como se percebe, o povo anapolino é mais que democrático e aplaude os que trabalham com seriedade, independentemente do lugar em que nasceu.
O vereador Luzimar Silva tem carinho especial pelos moradores de todos os bairros de Anápolis

Outro nome, com perfil diverso de todos os citados nesta reportagem, que começa a fazer a diferença naquela cidade que abriga o segundo maior polo farmoquímico do país, é o vereador Luzimar Silva, eleito pelo PMN em 2016 com 1265 votos. Trata-se de um político diferenciado, que migrou do interior de Minas Gerais para a Dubai goiana, onde cursou o Ensino Fundamental. Com 40 anos de idade, Luzimar não frequentou os bancos das universidades, mas sua sensibilidade e preocupação com o ser humano o transformaram aos poucos em um líder respeitado.

O vereador Luzimar mantém um relacionamento republicano com o prefeito Roberto do Órion







Sua fala mansa e sua sabedoria forjada na luta pela sobrevivência permitiram que ele conquistasse um mandato e, por meio de seu trabalho, mostra aos anapolinos que está na cidade para dar o seu melhor! Por isso, os pensadores da política local poderão ter surpresas no processo eleitoral que se avizinha.

O vereador Luzimar numa selfie com o governador Ronaldo Caiado

O vereador Luzimar, com a sabedoria dada por Deus, é dono de um trabalho social forte que já repercute em toda a cidade. A fala pausada do vereador do PMN torna-se referência de parte significativa dos 400 mil anapolinos, que observam com interesse a sua ascensão nas pesquisas qualitativas. Entre as diversas ações a favor dos menos favorecidos, o seu olhar para o psicossocial, com seriedade, o faz um parlamentar especial.

 O vereador Luzimar Silva se sente à vontade no meio da comunidade

Sua entrada nos lares da população carente ocorre de forma estratégica e pensada, por isso avança, mas de forma silenciosa e subliminar. O vereador, por meio de uma pequena e competente equipe de psicólogos, está de fato contribuindo para minimizar na cidade os problemas da depressão entre outras doenças provenientes do comportamento humano. É importante ressaltar que a depressão é conhecida como a doença do século em todo o planeta Terra.
Acreditamos firmemente que nas eleições que se aproximam, o parlamentar do PMN poderá se consolidar como uma das lideranças que está ajudando a mudar pra valer, não só o seu município, mas o Estado de Goiás e o Brasil, pois para cada dez doenças que atingem nossas famílias que provocam situações desequilibradoras, oito delas, ou seja; 80%, têm origens psicossomáticas.
Como se vê, o povo anapolino é generoso e agregador. Permitiu que pessoas de outras localidades se tornassem líderes como Henrique Santillo, Onofre Quinan, Antônio Gomide e agora o vereador Luzimar Silva. É com muita simplicidade e sabedoria que Luzimar entra pra valer no coração de um povo que tem o espírito do progresso e faz da unidade na diversidade um de seus lemas para vencer e vencer os obstáculos e as adversidades da vida. Salve Anápolis e os anapolinos de todos os Brasis!



sexta-feira, 23 de agosto de 2019

CRISTALINA CLAMA PELA NOVA ORDEM MUNDIAL

Heitor é o representante da juventude do DEM no Entorno do DF. Heitor será o candidato de Caiado em Cristalina



Por: Walter Brito

Cansada de desmandos, a centenária Cristalina de Goiás, que completou 103 anos no último 18 de julho, sente que as pernas ficam mais firmes quando os seus filhos permanecem lutando pela cidade ou retornam depois de adquirir conhecimentos em outras plagas. Muitos vão, mas voltam, pois o coração fala mais alto e a paixão eterna, tanto pelos pais, irmãos e demais parentes que ficaram na cidade, como também pelos amigos de infância e da juventude plena.
 Aquele próspero pedaço de chão goiano teve seus recursos naturais e suas terras férteis ceifadas por estranhos, ao tempo que enriqueceu muitos que se foram e nem um até logo deram ao município que ainda hoje vê seu povo em ruas esburacadas, asfaltos de baixa qualidade e esgotos a céu aberto e poucas opções de empregos para sua juventude. Cada governante que lá passa faz promessas que não cumpre. Entretanto, ainda existem esperanças!
É neste momento importante em que se aproxima o pleito eleitoral, que Cristalina para, reflete e percebe que, embora seja notícia na mídia do país como capital do agronegócio no Centro-Oeste brasileiro, e a beleza de seus minerais que encantaram o mundo; a realidade é bem diferente, onde o filho chora e a mãe pode fazer muito pouco. Ainda assim, os cristalinenses mais otimistas e dispostos a desafios olham para o futuro com muita confiança.
 Esses guerreiros aproveitam os erros cometidos por salvadores da pátria sem compromissos, inclusive os que se foram e passam por lá como visitas, aproveitadores, depredadores e à procura da caça para abater. Existem também os cristalinenses que desejam o desenvolvimento municipal e se preparam para o momento certo.
Nessa seara, Cristalina é dona de uma juventude vibrante, disposta a brigar por dias melhores pelo povo altaneiro de uma das cidades mais importantes da região que circunda a capital brasileira e distante 120 km do Palácio do Planalto. Trata-se de uma juventude forjada na luta pelo saber, aliada ao trabalho árduo, que não é somente o cabo da enxada que no passado fez famosa a Serra dos Cristais. Refiro-me aos jovens empreendedores, comerciantes, jovens e arrojados fazendeiros, investidores no mercado financeiro, médicos, dentistas, engenheiros, advogados, entre outros, que dizem em coro: “Cristalina agora vai!”.
O jurista cita Ruy Barbosa em seu discurso de posse na PUC de Goiás 

 Entre esses jovens, eu destaco para a reportagem de hoje o jovem advogado Heitor de Sousa Soares, admirado pelo governador Ronaldo Caiado desde sua tenra infância. Com muita sabedoria e política nas veias, foi aos 18 anos candidato ao Parlamento Municipal de Cristalina. Os duzentos e poucos votos recebidos naquela eleição de 2012, incentivaram o jovem adolescente a conhecer outras disputas e participou efetivamente da eleição que elegeu Ibaneis Rocha presidente na OAB-DF em novembro de 2012.
Na mansão do bem-sucedido advogado, na última reunião que o faria presidente, o jovem cristalinense disse ao hoje secretário do GDF junto à comunidade, Severino Cajazeiras: “Eu quero ser advogado como você e o Ibaneis. É isso que vou ser”. Disse. Partiu para Goiânia à procura de um novo caminho. Depois do vestibular, no qual foi aprovado entre os primeiros, o filho de Cristalina se destaca por sua inteligência, responsabilidade e sempre comprometido com o progresso de Cristalina e região, Goiás e o Brasil.
Eis que o sonho vira realidade: “Os cinco anos da faculdade passam mais rápido do que imaginei”, disse o jovem a este repórter. Nesse dia, imbuído de muita emoção, pois tinha sido escolhido por seus pares na PUC de Goiás como o orador, Heitor se torna protagonista da sua turma de formandos. Em seu badalado discurso, discutido pelos estudantes de Direito, nem só da PUC, mas pelos estudantes que faziam Direito em Goiânia em outras universidades.
O audacioso jovem cristalinense cita o jurista Ruy Barbosa, que foi convidado para ser paraninfo da turma de formandos em Direito de 1920 da Universidade de São Paulo, conhecida como Universidade do Largo do São Francisco. O discurso, escrito pelo Águia de Haia que, impossibilitado de comparecer ao evento, foi lido pelo professor Reinaldo Porchat em março de 1921, intitulado Oração aos Moços.
O orgulho de Dona Dina, ao lado do filho advogado

Heitor se referiu aos ensinamentos do famoso jurista com muita categoria ao citar os arroubos da juventude, quando muitos jovens trocam os livros pelas badalações, os botecos e a vida boêmia, e acabam se perdendo no momento mais fértil para adquirir o saber. Dessa forma sofisticada, Heitor fez o chamamento dos goianos de todos os rincões para, junto com ele, fazerem acontecer, com foco nas palavras do maior gênio do saber jurídico de nossa história.
Eis que, formado e vivendo de sua luta diária na advocacia, o filho de dona Ana Bernardina, a popular dona Dina, recebeu o diploma de Honra ao Mérito, em sessão especial em homenagem ao Dia Internacional da Juventude, na Câmara Municipal de Goiânia.
Heitor é sempre lembrado pela luta incansável no movimento estudantil em Cristalina, ocasião aliás em que tive o prazer e a satisfação de entrevistá-lo em um programa de rádio que movimentou as manhãs de sábado, no final de 2011 e primeiro semestre de 2012, na Capital do Agronegócio do Centro-Oeste brasileiro. O jovem realizador e jurista de proa está empenhado na estruturação da comissão da advocacia na subseção da OAB em Cristalina com o mesmo empenho que o fez líder do movimento estudantil da PUC e conselheiro estadual na vaga destinada à OAB-Goiás.

Heitor ao lado do saudoso padrinho Miramar. Este foi um dos mais importantes empresários da história de Cristalina

Como diz o ditado popular: O bom filho a casa torna, Heitor voltou para o lar de sua querida genitora, dona Dina, e se preocupa com melhores dias para os seus conterrâneos e o avanço de sua terra natal. Agora ele está ao lado da mãe, dos irmãos, demais entes queridos, amigos e conterrâneos com os quais conviveu na tenra infância, e outros que o ajudaram a dar os primeiros passos na escola infantil e o orientaram na adolescência, e outros que o viram correr pelos campos daquela terra que Deus abençoou com muita água e terra fértil.
Tudo indica que num futuro próximo, Heitor Soares de Sousa estará nos braços do povo, como ele mesmo diz em alto e bom som: “Fui para Goiânia estudar e agora retornei ao município para contribuir”. Como sabemos, a Nova Ordem Mundial exige mudanças constantes, e chegou a vez de Cristalina ver, ouvir e participar do resultado da modernidade e sabedoria de seus próprios filhos!

Heitor recebe o seu canudo de papel das mãos do Reitor da PUC e, volta para Cristalina, decidido colaborar com seu povo!



quinta-feira, 22 de agosto de 2019

MOVIMENTO LÍDERES DO BRASIL APLAUDE MICROCRÉDITO DO GOVERNO BOLSONARO!

Luiz Felipe Daher, presidente do MLB, entusiasmado com o apoio de Bolsonaro aos microempresários


Por: Walter Brito

O Movimento Líderes do Brasil, que tem a maioria de jovens empreendedores como fundadores, está a todo vapor e pretende se instalar em todos os estados. Com um ano de suas atividades completados no dia 9 de agosto, o movimento mostra aos diversos Brasis que veio para ficar e construir uma história que alavancará pra valer o micro e pequeno empresário de nosso país, inclusive ajudando na relação efetiva entre os pequenos empresários dos 26 Estados e o do Distrito Federal com o poder constituído.
 O MLB pretende mostrar que a classe tem vez, voz e poder para levar suas reivindicações aos palácios de nosso país, bem como ser ouvida pelos grandes empresários, representados por banqueiros, industriais, grandes construtoras, importadores e exportadores de nossa nação. “São os micro, pequenos e médios empresários que empregam a maioria da população, por isso estamos unidos, pois desta forma fortaleceremos cada um que optou pelo empreendedorismo, independentemente do tamanho de seu capital, pois acreditamos que o potencial da economia brasileira pode mais!”, disse Luiz Felipe Daher, presidente do MLB, em entrevista exclusiva para o Cristal Pesquisas. Veja abaixo a íntegra da entrevista.

INVESTIMENTO DE R$ 1 BILHÃO PARA OS PEQUENOS EMPRESÁRIOS


Luiz Felipe e o MLB, confiantes na competência técnica de
Paulo Guedes
 Paulo Guedes
Questionado pela reportagem sobre o investimento anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro referente a uma linha de crédito para micro e pequenos empreendedores na ordem de R$ 1 bilhão até o final de seu governo, cuja expectativa é atender 150 mil empreendedores de todo o país, Felipe respondeu de forma entusiasmada: “Acredito firmemente que o Brasil agora está em boas mãos e no rumo certo, pois Bolsonaro está cumprindo as promessas de campanha e de forma estratégica deu autonomia ao ex-juiz Sérgio Moro para banir de nosso país a corrupção e dar um novo caminho à segurança, pois o crime organizado estava mais poderoso que o Estado.
 A nossa economia estava desacreditada, e o Paulo Guedes conta com todo o apoio do presidente para fazer uma transformação onde os micro e pequenos empresários deixam de ser os coitadinhos e passam a fazer parte da economia de fato e de direito. Um exemplo importante é o investimento de R$ 1 bilhão que já está atendendo parte dos 150 mil microempreendedores em todo o país. Isto é só o começo, pois com a competência técnica do economista Paulo Guedes e a vontade de fazer do presidente Bolsonaro, breve estaremos entre as cinco maiores economias do mundo, que é o lugar que de fato merecemos”.

JUVENTUDE ACREDITA FIRMEMENTE NO EMPREENDEDORISMO!

Referente ao pouco tempo de criação do MLB e ao alcance nacional do movimento, o jovem líder empresarial, administrador de empresas nascido em Brasília explicou: “Antigamente a única preocupação de nossa juventude era fazer um curso superior para prestar concurso público.  O mundo nos impõe novos desafios e com o incentivo do arrojado presidente Bolsonaro nos organizamos e fomos à luta. Começamos com um grupo apenas de dez microempresários de Brasília.
 Logo conquistamos por meio de muito trabalho o apoio de empresários da Região do Entorno de Brasília, que de acordo com o nosso governador Ibaneis Rocha, que apoiamos de forma firme no pleito de 2018, breve teremos a Região Metropolitana de Brasília, o que será fundamental para a nossa ampliação”. Disse.
 O empresário brasiliense faz pausa para tomar um copo d’água e continua seus argumentos de jovem otimista: “Foi o momento em que conquistamos empresários jovens de Águas Lindas, Valparaíso, Luziânia, Formosa e Planaltina de Goiás, todos com a certeza de que o foco é ganhar dinheiro de forma honesta e ajudar o Brasil a crescer. Voltando ao nosso querido governador Ibaneis, ele tem um compromisso conosco, inclusive no que se refere à criação de uma secretaria com a finalidade de incrementar o empreendedorismo. Estamos na expectativa de que ele nos convide para tratar do assunto a qualquer momento”, disse Luiz Felipe, cutucando o número 1 do Palácio do Buriti.
Mais explicações sobre o mesmo tema do líder empresarial: “Com o Entorno de Brasília fortalecido, fomos para Fortaleza e Bahia, quando tivemos a adesão entusiasmada dos pequenos empresários nordestinos. Em seguida partimos para o interior de São Paulo e consolidamos o MLB no principal estado da federação e já passamos dos cem empresários. Temos um objetivo fundamental, ou seja, fortalecer os nossos pares, pois juntos teremos voz, vez e poder de negociação com os governos e o grande empresariado nacional”, argumentou o brasiliense de apenas 28 anos.

CRITÉRIOS PARA O EMPRESÁRIO PARTICIPAR DO MLB:
A maioria dos empresários do MLB, é formada por jovens como o presidente Daher

Perguntamos ao jovem empreendedor, proprietário de uma startup na área de tecnologia e sócio de duas faculdades em Brasília, quais são os critérios para adesão dos empresários ao projeto do Movimento Líderes do Brasil. Sem pestanejar ele respondeu: “O nosso projeto é qualitativo e não nos interessa tão e somente a quantidade de empresários.
E mais, exigimos competência efetiva e destreza para se posicionar no mercado, tempo para participar de nossas reuniões, presenciais ou em conferências via internet, demonstrar interesse de crescer por meio das estratégias usadas pelas suas empresas, além de ter que passar pelo nosso crivo de lealdade, integridade e honestidade, entre outras exigências comuns no meio empresarial”, afirmou de forma didática e convicta.

PERFIL DAS EMPRESAS QUE JÁ PARTICIPAM DO MLB

O presidente do MLB deu detalhes de como se associar e o perfil de pequenas empresas que fazem parte do projeto: “Em qualquer associação comercial é exigido o pagamento mensal de uma taxa para manutenção da instituição. Na nossa não é diferente e pagamos mensalmente uma contribuição simbólica. É importante ressaltar que os mais variados perfis de pequenas empresas já estão junto conosco, tais como: startups na área de tecnologia, mercado financeiro; indústria criativa; faculdades em diversos cursos; institutos de línguas estrangeiras; empresas de acessórios no mundo da moda; salões de beleza; bares; restaurantes; academias de ginástica, entre outros.

RELAÇÃO DOS JOVENS EMPRESÁRIOS COM O PODER

A alegria dos Diretores do Movimento Líderes do Brasil, com o sucesso em pouco mais de um ano!

Quanto à relação com o poder, Luiz Felipe detalhou: “Nas últimas eleições, quando ocorreram renovações efetivas em todos os estados da federação, o brasileiro mostrou claro que estamos participando com maior atenção do processo político, ao tempo em que nos conscientizamos de que a política é fundamental para a melhoria da vida de cada um de nós, quando o coletivo é beneficiado de forma séria pelos governantes.
Por isso, o MLB se insere neste contexto, por meio de articulações no Congresso Nacional e também com o Poder Executivo e Judiciário em todos as instâncias.  Procuramos sempre fortalecer a relação de nossos associados com as referidas instituições. Neste sentido, temos uma relação estreita com o senador da República Izalci Lucas, do PSDB, que tem facilitado a nossa relação nem só no Congresso Nacional, mas nos poderes já referidos.
Como sou de Brasília, a nossa relação no Parlamento Distrital se dá por meio dos deputados distritais João Cardoso (AVANTE) Agaciel Maia (PR), e o presidente Rafael Prudente do MDB. Finalizo dizendo o seguinte – a população nunca assumiu responsabilidades com a administração pública como a partir da eleição de 2018, onde os movimentos sociais tiveram maior importância. Agora o povo sabe que o voto vale mais que o emprego e que temos o poder de cobrar, fiscalizar e nos tornar protagonistas de um processo em que sempre fomos coadjuvantes”, concluiu Luiz Felipe Daher.




SERVIÇOS:

Site -  www.grupolideresdobrasil.com.br

(61) 99547-1578 Luiz Felipe Daher


terça-feira, 2 de julho de 2019

SENADORA RENILDE BULHÕES APONTA SAÍDA PARA PEQUENOS MUNICÍPIOS

Senadora Renilde Bulhões (PROS/AL)


Por: Walter Brito

A senadora Renilde Bulhões (PROS/AL), primeira suplente do senador Fernando Collor (PROS/AL), está substituindo o ex-presidente pelo período de quatro meses. Ela trabalha com muita vontade e defende os pequenos municípios de seu estado, e sua atuação acaba beneficiando outros municípios de pequeno e médio portes do Brasil.
A doutora Renilde Bulhões foi muito prestigiada ao assumir o mandato no dia 19 de abril, quando afirmou da tribuna daquela Casa de Leis: “Na condição de mulher sertaneja reafirmo o meu empenho em servir minha terra, e no Senado vou me dedicar para corresponder às expectativas do povo alagoano”. Na ocasião o líder do PROS no Senado, senador Telmário Miranda, disse que se sentia honrado com a posse da médica e ex-prefeita de Santana do Ipanema – AL, ao assumir o mandato de senadora pelo partido que ele lidera no Senado da República. O senador Rodrigo Cunha do PSDB e conterrâneo de Renilde parabenizou a terceira senadora de Alagoas, pela sua trajetória como médica e política, oportunidade em que lhe desejou sucesso na nova empreitada, cuja finalidade é representar o seu estado na capital brasileira. Ressaltamos que antes de Renilde (primeira suplente de Collor), foram senadoras por Alagoas, Heloísa Helena do PT e Ada Mello (segunda suplente do primeiro mandato de Fernando Collor).

            FAMÍLIA TRADICIONAL DE ALAGOAS

Prefeito Isnaldo Bulhões


Vale lembrar que a senadora Renilde  pertence a uma família tradicional na política, na iniciativa privada e no meio intelectual do Estado de Alagoas. Na política as referências são fortes e a família atua há mais de seis décadas na vida pública e em prol de melhorias para o povo alagoano. Neste sentido, o saudoso ex-governador de Alagoas Geraldo Bulhões, que era cunhado da senadora Renilde, foi sem dúvidas um dos ícones do desenvolvimento naquele estado nordestino. O esposo da senadora, Isnaldo Bulhões, que foi presidente do Tribunal de Constas do Estado de Alagoas, é o atual prefeito de Santana do Ipanema e está dando continuidade ao trabalho desenvolvido pela esposa em todos os setores.
Com o mesmo interesse público e compromisso com os alagoanos, o herdeiro do prefeito Isnaldo e da senadora Renilde, Isnaldo Bulhões Barros Júnior, o Isnaldinho, também se embrenhou pela política em sua juventude plena, quando aos 21 anos se elegeu vereador pelo PSD. A partir daí, ele seguiu firme na política e conquistou cinco mandados consecutivos de deputado estadual, até chegar ao Congresso Nacional em 2018 com mais de 71 mil votos de todos os rincões de Alagoas. Hoje mãe e filho fazem dobradinha no Congresso Nacional: ela no Senado e o filho na Câmara Federal. Outra referência importante da família da senadora trata-se do médico Roberto Salgueiro, irmão da senadora Renilde, que foi eleito no dia 19 de maio, provedor do Hospital Santa Rita, na cidade de Palmeira dos índios.

Deputado Federal Isnaldo Bulhões Junior 


                           ENTREVISTA NA TV SENADO

Entrevistada pela TV Senado recentemente, a senadora contou sua história de lutas, conquistas e vitórias a favor de seu povo, tanto como médica obstetra, inclusive passando pela diretoria de um hospital, como política que tem compromisso com a população, especialmente os residentes nos pequenos municípios do sertão alagoano. Questionada pela reportagem da TV Senado para falar sobre sua experiência como prefeita de Santana de Ipanema, entre 2005 e 2012, a senadora argumentou: “Tive a satisfação de administrar Santana de Ipanema por dois mandatos, cuja população tem 48 mil habitantes. As dificuldades de um prefeito em nossa região são enormes e o gestor precisa ter boa vontade e disposição e gostar de gente. Nós gestores somos conhecedores de todos os anseios da população. Quando o prefeito acorda, a porta de sua casa já está repleta de pessoas na busca de resolver seus problemas pessoais e da comunidade”.
 A senadora continua em sua argumentação: “São demandas da zona rural e da zona urbana. Os pleitos são os mais diversos, como recuperação de estradas vicinais, saúde pública, educação e até pedidos pessoais, como ajuda para viabilizar uma consulta urgente, a compra de medicamentos, uma mãe que precisa de uma passagem para visitar o filho. Lá em nossos municípios, 60% das demandas são resolvidas pela prefeitura. E mais, são os prefeitos também que contribuem efetivamente com a segurança pública, embora seja um dever do estado. A participação do prefeito se dá também no que diz respeito à educação em nível superior. Na minha gestão, contribuímos, e muito, com soluções para as políticas públicas estaduais e também federais”. Explicou a ex-prefeita e senadora.
 A senadora fala sobre a importância da educação superior na cidade que administrou: “Conseguimos levar para o nosso município o programa Universidade Aberta do Brasil. O programa foi lançado em Brasília, mas é sucesso em nossa Santana do Ipanema, com quinze cursos em funcionamento. Foi por meio da referida ação que nos permitiu melhorar o nível de nossos professores e a mão de obra qualificada no serviço público e iniciativa privada. Hoje temos a honra de falar que todos os professores do Ensino Fundamental e Médio são graduados e certamente toda a região foi beneficiada, pois Santana de Ipanema é uma cidade polo cercada por municípios menores com cinco mil, oito mil ou doze mil habitantes em média, e a maioria dos referidos municípios pertenciam a Santana do Ipanema e foram se emancipando”, disse a senadora Renilde.

                      DIFICULDADES FINANCEIRAS E ESCASSEZ DE MÃO DE OBRA

Sobre os recursos do FPM repassados para os municípios, a senadora disse ser insuficientes para cobrir os custos da administração e fazer investimentos, mesmo somados aos recursos arrecadados pela prefeitura com os impostos. Ela argumenta que sua região é árida e chove pouco. “Quando chove, o agricultor planta e colhe, mas quando não chove o agricultor fica em dificuldades. Outras vezes chove muito e a safra é perdida. Mesmo assim as pessoas são alegres e trabalhadoras. Por esta e outras razões a arrecadação da prefeitura contribui muito pouco para o complemento do Fundo de Participação dos Municípios – FPM”. Outra dificuldade que a senadora disse ter na região trata-se da escassez de mão de obra especializada na maioria dos municípios. “Em nosso município, muitos que lá nasceram e se formaram fora, como por exemplo, em Medicina, Engenharia, Direito, Arquitetura e outros, nós conseguimos levar de volta e ajudam na administração, o que não é a realidade na maioria dos municípios vizinhos”, disse.

       A REDENÇÃO DOS MUNICÍPIOS ALAGOANOS E BRASILEIROS

A reportagem da TV Senado perguntou à senadora sobre qual seria a alternativa viável para ajudar os municípios de médio e pequeno portes. A senadora respondeu de pronto: “ A formação de consórcios entre os municípios ajuda muito, mas muitos prefeitos ainda não entenderam a importância do consórcio público. O consórcio, na verdade, é a redenção dos pequenos municípios, pois juntos se tornam mais fortes”, concluiu a senadora Renilde Bulhões.
De acordo com pesquisa nacional recente, existem cerca de 3.500 consórcios intermunicipais em todo o país. Segundo os mesmos dados, a explicação do fenômeno torna-se especialmente relevante quando se considera ter sido uma prática pouco frequente antes da Constituição de 1988. A defesa dos consórcios feita pela senadora alagoana pela TV Senado, quando disse com todas as letras que os consórcios representam a redenção dos pequenos municípios, certamente vai alertar não só os prefeitos de Alagoas, mas é um chamamento para a maioria das 5.570 prefeituras deste país de dimensões continentais.
Parabenizamos o senador Fernando Collor por ter contribuído com a ascensão da mulher alagoana ao posto de senadora da República, quando oportunizou que  Ada Mello e Renilde Bulhões ocupassem merecidamente os seus lugares na história. Sucessos à senadora Renilde Bulhões!


terça-feira, 9 de abril de 2019

EX-PRESIDENTE COLLOR DEFENDEU APOSENTADORIA JUSTA PARA TRABALHADORES RURAIS E MILITARES ANTES DE SE LICENCIAR DO SENADO!

O ex-presidente Fernando Collor fala sobre Previdência Social

Por: Walter Brito

O ex-presidente da República Fernando Collor de Mello, cujo mandado no Senado irá até 31 de dezembro de 2022, licenciou-se por quatro meses de seu mandato na última quarta-feira, dia 3/4, quando assumiu em seu lugar a primeira suplente, Renilde Bulhões, que, como Collor, é filiada ao Pros de Alagoas. O ex-presidente permanecerá 120 dias de licença não remunerada para tratar de interesses particulares. Antes da licença, Fernando Collor fez dois importantes pronunciamentos na tribuna do Senado, ocasião em que defendeu de forma veemente as aposentadorias dos trabalhadores da zona rural e dos militares e fez diversas observações no projeto da reforma da Previdência apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro e em trâmite no Congresso Nacional. Abaixo, destacamos trechos dos dois pronunciamentos feitos pelo ex-presidente brasileiro.

DEFESA DOS MAIS NECESSITADOS

No primeiro pronunciamento, ocorrido no dia 19/3, ele focou na justiça social e iniciou sua fala afirmando o seguinte: “Foi com preocupação que identificamos na proposta da reforma da Previdência apresentada pelo governo federal a inclusão da aposentadoria rural especial e de benefícios de prestação continuada e a modificação substancial das regras da aposentadoria por invalidez. Esses são pontos que ressaltam a necessidade de o Congresso Nacional debruçar-se atentamente sobre o texto e fazer uma defesa contundente dos segmentos mais necessitados da população”, disse.

 PAGAMENTO ESTABELECIDO NA CARTA MAGNA

Nesta seara Collor relembrou o FUNRURAL, Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural, que foi idealizado como braço executivo do Programa de Assistência ao Trabalhador Rural, o PRORURAL, instituído em 1971, no governo Médici. Collor acrescentou que o Programa previa o pagamento de benefícios ao trabalhador rural, como aposentadoria por idade e por invalidez. O benefício correspondia a meio salário mínimo, pago tão somente ao chefe ou arrimo de família. Lembrou ainda o ex-presidente que na Constituição Federal de 1988, nenhuma remuneração paga ao trabalhador poderia ter valor inferior a um salário mínimo: “Ao assumir a Presidência da República, em 1990, determinei o integral pagamento do benefício no valor estabelecido pela nossa Carta Magna, retroativo à data de sua promulgação”, completou.

REVOLUÇÃO SILENCIOSA NO CAMPO

A preocupação do senador Collor com os trabalhadores da zona rural

O ex-presidente disse que a referida medida permitiu a fixação do trabalhador no campo. Ele argumentou em seguida: “Produziu-se, com isso, uma revolução silenciosa no campo, decorrente do aporte de recursos nas economias locais. Estudos do IPEA concluíam, já em 2004, que ‘a queda na pobreza de trabalhadores agrícolas na década de 90 não esteve relacionada às promissoras transformações por que passou nossa agricultura, mas ocorreu à expansão dos benefícios da aposentadoria rural’.  Coube a mim, como presidente da República, tornar efetivo o mandamento constitucional e, desse modo, produzir esses resultados”, arrematou Fernando Collor.

LEI ORGÂNICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, CRIADA EM 7 DE DEZEMBRO DE 1993

Segundo o parlamentar alagoano, a experiência acima inspirou a criação do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura, o atual PRONAF, que financia as taxas reduzidas dos projetos individuais ou coletivos que geram renda aos agricultores familiares e assentados da reforma agrária. Ele informa ainda em seu pronunciamento que a redação original do § 8 do art. 195 da Constituição Federal estabelece que o produtor rural que exerce suas atividades em regime de economia familiar, sem empregados permanentes, contribuirá para a seguridade social, gênero que inclui saúde, previdência e assistência social. A proposta do governo modifica esse dispositivo para restringir a contribuição desses trabalhadores à previdência social.
 “Percebe-se, portanto, que se pretende tratar os benefícios pagos a esse trabalhador rural aposentado como uma questão previdenciária. Entretanto, a decisão de pagar um salário mínimo para os aposentados especiais do campo que preenchem os requisitos legais foi originalmente e deve continuar a ser uma medida de assistência social. E mais, pagar benefícios de assistência social é uma decisão do Estado para atender as camadas mais sofridas e vulneráveis da sociedade.  Lembrando que a aposentadoria rural especial não é custeada com recursos do Instituto Nacional do Seguro Social. Essas verbas não são, portanto, recursos previdenciários. Provêm, na verdade, do Fundo Nacional de Assistência Social, criado pela Lei número 8.742, de 7 de dezembro de 1993, a Lei Orgânica de Assistência Social”. Disse.

A NOVA PROPOSTA É INADEQUADA E PRECISA SER AJUSTADA

Sobre o aumento da idade mínima para as trabalhadoras rurais, quando o governo propõe elevar de 55 para 60 anos, o parlamentar explicou: “Sob o aspecto formal, todos são iguais perante a lei e, portanto, devem ser tratados igualmente. Porém, justiça e isonomia dependem, na prática, de reconhecimento de disparidades sociais e do tratamento diferenciado dos desiguais, na medida de suas desigualdades. É preciso diferenciar a realidade do agronegócio internacionalizado e tecnologicamente avançado daquela dos brasileiros e brasileiras que empunham enxadas de sol a sol, para garantir sua subsistência”.
Após citar outras considerações referentes à aposentaria rural, o ex-presidente Collor concluiu seu pronunciamento quando se referiu à aposentadoria por incapacidade permanente. “Podemos bem aceitar a manutenção da regra de cálculo do benefício por invalidez decorrente de acidente de trabalho, doença profissional e doenças do trabalho. Porém, em outras situações, a nova regra promove significativa redução nos proventos dos aposentados por incapacidade permanente. Atualmente, os incapacitados recebem 100% da média dos salários de contribuição. Com a reforma proposta, esse percentual cai para 60%, acrescido de dois pontos percentuais a cada ano que exceder 20 anos de contribuição. Ou seja, o segurado somente receberá 100% do benefício após 40 anos de contribuição! Creio que esses números são suficientes para demonstrar justamente a inadequação de nova regra”, finalizou.

APOSENTADORIA DOS MILITARES

Certamente, o senador Fernando Collor é um dos parlamentares mais articulados com os militares de todas as Forças. Desta forma, ele se referiu quando discursou no dia 27/3 na tribuna do Senado sobre o projeto de reestruturação das forças armadas: “Como único Parlamentar na presente Legislatura que teve a honra de ser Presidente da República, acredito ser meu dever dar testemunho pessoal da experiência que tive como Comandante-Em-Chefe das Forças e, como Senador da República, externar minha posição sobre o Projeto de Lei de reestruturação dessas mesmas instituições. Até hoje, sou o Presidente que, no início do mandato, mais visitou e conheceu unidades militares espalhadas pelos quatros cantos de nosso imenso território”, disse.

FORÇAS ARMADAS PREPARADAS SÃO PILAR FUNDAMENTAL PARA O EQUILÍBRIO NACIONAL
O bom relacionamento de Collor com os militares

Na sequência de seu pronunciamento, Collor fala sobre o sacrifício de todos para com a proposta previdenciária em discussão no Congresso: “A gravidade do cenário atual requer sacrifícios por parte de todos os brasileiros. Devemos, entretanto, estar atentos às consequências distintas das alterações previdenciárias nos mundos civil e militar. O princípio da igualdade impõe não apenas tratamento distinto para os desiguais, na medida das suas desigualdades. Não podemos confundir o Sistema de Proteção Social Militar e os Regimes de Previdência. A tentativa de aproximar esses dois sistemas decorre da incompreensão da profissão e da carreira militares, advinda de uma visão estereotipada do seu papel na sociedade brasileira. Forças Armadas prontas e preparadas são pilar fundamental para o equilíbrio nacional, garantes da existência do Estado e, portanto, essenciais ao progresso social, material e espiritual da população”, argumentou.

CORONEL COM 30 ANOS DE CARREIRA GANHA MENOS QUE UM TÉCNICO DO IPEA

O ex-presidente mostra que, embora seja uma atividade de alto risco, a carreira militar não é bem remunerada. “Atuando na Defesa Nacional, em missões de paz das Nações Unidas, em operações de Garantia da Lei e da Ordem ou em ações subsidiárias, o elemento mais importante das três forças são seus integrantes, os nossos militares. A profissão e a carreira possuem características sem similar no meio civil. Prova disso é a exigência de disponibilidade permanente, essencial ao estado de constante sobreaviso a que estão sujeitos esses profissionais.
 Em função de atividades extraordinárias, trinta anos de serviço militar equivalem a 45 anos de serviço civil. Isso se dá sem qualquer acréscimo de remuneração a título de horas extras ou adicional noturno, pois a isso eles não têm direito. Também não fazem jus ao FGTS, devido aos celetistas. A redução gradual da remuneração verificada nas últimas décadas deve-se em parte a restrições de direitos sociais, trabalhistas e políticos. Os militares participam de negociações por recursos, inclusive daquelas destinadas a discutir atualizações salariais, em uma posição de menor força relativa, se comparados a outras categorias. Essa parece ser uma das razões pelas quais 45% do efetivo recebem menos de dois salários mínimos e 58%, menos de 4 salários mínimos. O salário de um Coronel com 30 anos de serviço é cerca de 15% inferior ao salário inicial de técnicos de planejamento e pesquisa do IPEA, analistas de planejamento e orçamento, analistas de comércio exterior e do Banco Central”, arrematou o parlamentar.

O MILITAR PRECISA SER AMPARADO NA VELHICE

O senador do Pros fala de forma professoral sobre a velhice daqueles que se arriscam para garantir a segurança do povo brasileiro. “Leva-se muito tempo para formar um militar. A atividade é sacrificante e exigente por natureza, pois destina-se à preparação para a guerra, a mais grave situação de crise que se pode imaginar. Hierarquia e disciplina são bases constitucionais da organização das Forças Armadas e implicam sujeição total de seus integrantes à cadeia de comando, ainda que a ordem recebida coloque em risco sua vida. A morte em conflito não é acidente de trabalho, é uma possibilidade real, concreta e cotidiana que decorre diretamente do cumprimento da missão constitucional. O Sistema de Proteção Social é condição necessária à adesão irrestrita e irrevogável a esses princípios. O militar precisa ter a garantia de que, na velhice, estará amparado após passar toda a sua carreira em regime de permanente prontidão. Precisa ter a certeza de que, na sua falta, sua família receberá todo o apoio necessário daquele mesmo Estado em nome de quem ele se dispôs a dar, e muitas vezes deu, a própria vida. Nada disso é privilégio. É compensação pelos sacrifícios exigidos pela carreira.

AUMENTO DE TEMPO MÍNIMO DE 30 PARA 35 ANOS

O senador alerta sobre o cuidado com mudanças. “Os militares jamais foram sujeitos a regime previdenciário. No passado, já houve tentativas de equiparar as duas regras, mas sempre prevaleceu o reconhecimento das especificidades de cada esfera. O Constituinte de 1988 entendeu essas diferenças e dedicou dispositivos distintos à aposentadoria dos civis e à proteção social dos militares. Alterações nesse sistema devem embasar-se em estudos sobre seu impacto nas carreiras, nas condições de trabalho e, por consequência, na aderência das pessoas à missão. Mudanças impensadas podem gerar condições desagregadoras. Mas não é este o caso da proposta formulada pelo Poder Executivo.
Gestada, como deve ser, pelas próprias Forças, ela incorpora um conjunto complexo de medidas que modificam cinco leis distintas: o Estatuto dos Militares (Lei nº 6.880/80), a Lei de Pensões Militares (Lei nº 3.765/60), a Lei do Serviço Militar (Lei nº 4.375/64), a Lei de Promoções dos Oficiais da Ativa (Lei nº 5.821/72) e a MP da Remuneração dos Militares (MP nº 2.215-10/01). A proposta inclui alunos de escolas de formação, cabos, soldados e pensionistas no universo de contribuintes para o Sistema de Proteção Social, aumenta o tempo mínimo de atividade de 30 para 35 anos e eleva o percentual de contribuição de 11% para 14%, além de reduzir significativamente os potenciais dependentes”, disse.

Fernando Collor concluiu seu pronunciamento feito com muito cuidado na tribuna do Senado quando afirmou: “A realização concreta do princípio da igualdade requer ponderação na atribuição de direitos em face dos deveres exigidos. Não percamos de vista os enormes sacrifícios que nosso País e nossa sociedade exigem dos nossos militares e, portanto, a necessidade que temos de garantir-lhes os meios necessários para cumprirem sua tão nobre missão. É incoerente, por um lado, impor renovadas privações aos militares e, por outro, distribuir benefícios fiscais, como a renúncia de R$ 1 trilhão nos próximos 25 anos promovida pela Lei nº 13.586, de 2017, em favor de empresas petrolíferas estrangeiras que atuam em campos de petróleo brasileiros. Forças Armadas prontas e preparadas são um patrimônio dos brasileiros, construído ao longo de séculos. Sua manutenção em condições aptas a proteger o território, a sociedade e as riquezas nacionais é mais que uma política pública. É uma obrigação dos dirigentes maiores do País em benefício do conjunto da população.

Excelentíssimas Senhoras Senadoras,
Excelentíssimos Senhores Senadores,

Collor  licencia-se do Senado por 120 dias


Como homens e mulheres públicos, preocupados com os destinos da Nação, é nossa responsabilidade prover as condições necessárias à proteção do Brasil. O Congresso Nacional precisa debruçar-se detidamente e com espírito desarmado sobre a proposta de reestruturação das Forças Armadas. Defesa Nacional não se improvisa!
Ressaltamos que o senador Fernando Collor foi aparteado em seu primeiro discurso referente à proposta da previdência com foco no trabalhador rural, pelo senador goiano e jornalista Jorge Kajuru, líder do PSB no Senado. Kajuru disse o seguinte: “Presidente Fernando Collor, Vossa Excelência traz a esta Casa um dos três mais ricos pronunciamentos sobre a reforma da Previdência. Eu tenho acompanhado vários: de sociólogos, juristas, jornalistas, entre outros. Mas, a precisão em cada ponto, quando Vossa Excelência fala dos desamparados, idosos, trabalhadores rurais; me faz lembrar de 1988, quando o ex-presidente Sarney, num pronunciamento em rede nacional, falou sobre o perigo da seguridade social, que tornaria o país ingovernável. – Vossa Excelência deve se lembrar da resposta que o doutor Ulisses Guimarães deu a ele: - “Ingovernável é a fome, ingovernável é o país com esta reforma, oferecendo miséria aos idosos”, concluiu Kajuru.
Senador Kajuru diz que Collor fez um dos melhores discursos sobre Previdência


Em seguida, o senador goiano pediu cópia ao senador Collor de seu pronunciamento.
No segundo pronunciamento, referente aos militares, o presidente da mesa, o senador Antônio Anastasia (PSDB), ex-governador de Minas Gerais, foi o aparteante e disse ao senador Fernando Collor as seguintes palavras: “Meus cumprimentos, presidente Fernando Collor, pelo discurso de altíssima relevância. Grande oportunidade e naturalmente sempre extremamente procedente. A presença de Vossa Excelência na tribuna me fez relembrar de vossa presidência nos últimos dois anos na Comissão de Relações Exteriores, onde eu tive a grande felicidade de estar lá sob vosso comando e, aprendendo muito”, disse o senador tucano.
Senador Anastasia enaltece o pronunciamento do ex-presidente Collor

Como se percebe, os 40 anos de vida pública de Fernando Collor lhe deram muita experiência. Ele foi prefeito de Maceió, capital de Alagoas aos 30 anos, governador de Alagoas aos 33 anos e presidente do Brasil, aos 40 anos. Além disso, teve passagem pela Câmara Federal e está no segundo mandato de senador, quando presidiu a Comissão de Relações Exteriores por dois mandatos. Os seus discursos referentes à Previdência, certamente servirão para ajudar a direcionar a Previdência Social justa, principalmente para os menos favorecidos e idosos de todos os cantos do nosso país, bem como trabalhadores e trabalhadoras das zonas rural e urbana e, militares. Que Deus ilumine os nossos congressistas e que a proposta da previdência, aprovada, seja o melhor para o povo brasileiro!